Um espaço de ideias e partilha para todos os que amam o mar.
Sábado, 21 de Junho de 2014
O astrolábio

O astrolábio é um antigo instrumento para medir a altura dos astros acima do horizonte. Atribui-se a Hiparco, o pai da astronomia e trigonometria, a sua invenção. Ptolomeu designa por astrolábio a esfera armilar, que os árabes combinaram com o globo celeste e aperfeiçoaram criando assim o astrolábio esférico. Aqui referimo-nos ao astrolábio planisférico, uma simplificação que resulta numa projeção estereográfica polar da esfera celeste sobre um plano. Os gregos já o conheciam mas foi através dos árabes, que o introduziram na Península Ibérica, que chegou à Europa. O instrumento era composto por um disco graduado, a madre, onde se achavam colocadas várias lâminas circulares. Essas lâminas eram também graduadas à superfície das suas margens, permitindo através da alidade determinar a altura de qualquer astro. A alidade girava em torno do centro comum da madre e de todas as lâminas. Cada uma das lâminas ou discos servia para uma determinada latitude. No séc.XI, Zarquial, um árabe da Península Ibérica, idealizou um astrolábio universal com uma só lâmina e que servia para qualquer lugar. Com o astrolábio plano resolviam-se problemas geométricos, como calcular a altura de um edifício ou a profundidade de um poço. O astrolábio náutico foi a simplificação do planisférico e tinha apenas a possibilidade de medir a altura dos astros. Inicialmente tinham a configuração da face posterior dos planisféricos. No entanto e com a experiência dos pilotos ganhou nova forma. Deixou de ser fabricado em chapa de metal ou madeira e passou a fundir-se em liga de cobre de modo a que o seu peso, cerca de dois quilos, o sujeitasse menos ao balanço do navio. O disco inicial foi parcialmente aberto para diminuir a resistência ao vento. A forma definitiva do astrolábio náutico fixa-se assim numa roda, de 15 a 20 cm., com dois diâmetros ortogonais no centro da qual gira a medeclina. Esta alidade dispõe de duas pínulas com orifícios através dos quais se visava o astro. Num dos extremos da medeclina é intercetada uma escala de 0 a 90º gravada nos quadrantes superiores da roda. Para tomar a altura de um astro suspendia-se a roda na vertical pelo anel de suspensão, movendo-se a medeclina até que o feixe luminoso do sol atravessasse simultaneamente os dois orifícios das pínulas. A observação direta do sol não é possível sem danos para a vista pelo que se colocava, num plano inferior, um papel que assinalasse o feixe luminoso. Alguns minutos antes do meio-dia movia-se a mediclina no sentido ascendente até que, ao meio-dia solar, e num breve momento, a mediclina conservava-se estacionária para em seguida mover-se no sentido inverso. Pela maneira de como se efectuava esta operação era conhecida pelas gentes do mar como «pesar o sol». A leitura da escala, interceptada então pela medeclina, indicava a altura meridiana do sol que complementada com a consulta das tabelas de declinação do sol permitia calcular a latitude do lugar.

 

Cabo da esteira - Cabo usado para tensionar a valuma da vela.

 



publicado por cartasdemarear às 23:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

16
18
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

O astrolábio

Desidratação a bordo – co...

Diário de Bordo - Parte I...

Diário de Bordo - Parte I

Superstições, mitos e len...

Superstições, mitos e len...

Dez Mandamentos a bordo

Cuidados a ter quando nav...

20 Itens a verificar ante...

20 Itens a verificar ante...

arquivos

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

tags

água

âncora; ferro

anti vegetativa

astrolábio

bandeira nacional

bomba

bordo

bússola

cartografia

casco

casco;naútica

desidratação

diário

documentação

embarcação; proa; vante

enjoo

erros

fibra de vidro

gasolina; diesel; bombordo

gps

hélice

lavagem

leme

madeira

madeira; metal; fibra.

mandamentos

mar; febre

mofo

molinetes

noite

nós

pintura

popa; ré

resiliência

resina

sereias

size matters

superstições

vela; motor

zinco

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub